quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Seminário Fome e Desigualdades nos Países Lusófonos, acontecerá em novembro em Brasília-Brasil.

A Realização do Fórum Internacional Lusófono que tem como objetivo ampliar a incidência da consolidação de participação da sociedade civil, especialmente as Cáritas Nacionais, em parceria com os Estados (Governos dos países) na consolidação dos objetivos do Milênio. Tendo em vista que para isso, é fundamental que os países possam reconhecer os esforços da Gestão Pública, como também as transformações realizadas pelas ações propostas pela sociedade civil.
O Fórum das Cáritas Lusófonas tomou a iniciativa de realizar o presente Seminário, tendo em vista que a Cáritas Internacionalis – articulando toda sua confederação a serviço dos empobrecidos e marginalizados em todo o mundo – lançou, em dezembro de 2013, a Campanha Mundial, com o tema: Por uma Família Humana Pão para todas as pessoas.
De pronto, a Cáritas Brasileira atendeu o chamamento da Cáritas Internacionalis e lançou, em 10 de dezembro de 2013, a Campanha: Uma Família Humana, pão e justiça para todas as pessoas. O convite à Mobilização para superação da fome que aflige tantas pessoas no mundo, proposta pela Cáritas Internacionalis reafirma seu compromisso com a causa dos excluídos e este Seminário proposto para acontecer em Brasília no período de 09 a 11 de novembro faz parte deste esforço.

Informações:


sexta-feira, 22 de junho de 2012

Cáritas no Rio + 20


Acompanhe a acção da Cáritas na Cimeira Rio +20 em http://especial.caritas.org.br/

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Eleito o novo presidente da Cáritas Brasileira


Dom Flávio Giovenale, da Diocese de Abaetetuba, no estado do Pará, foi eleito com 63% dos votos para ocupar o cargo de presidente da entidade nos próximo quatro anos. No total, 117 delegados participaram deste processo. Dom Flávio recebeu 74 votos e dom Guilherme Antônio Werlang, da diocese de Ipameri (GO), ficou com 43.

O processo eleitoral que teve início ontem, dia 10, durante o IV Congresso e XVIII Assembleia Nacional da Cáritas Brasileira realizado em Passo Fundo (RS), seguiu para hoje, dia 11, pois nenhum dos candidatos recebeu 50% mais um dos votos, conforme prevê o estatuto da instituição.

Anadete Gonçalves Reis foi reeleita ontem para a vice-presidência da entidade com 99% dos votos.

Perfil

O Bispo de Abaetetuba é sacerdote católico da ordem dos salesianos, originário da cidade de Murello, Itália, nascido no dia 06 de maio de 1954.

Estudou Filosofia no Instituto Salesiano de Filosofia e Pedagogia em Lorena, São Paulo entre os anos de 1975 e 1976 e Teologia no Instituto Teológico Pio XI, também em São Paulo, entre 1978 e 1981.

Pós graduou-se na Universitá Pontificia Salesiana (Fac. Spiritualitá) em Roma (1984-1985).

Declarou seus votos religiosos em 8 de setembro de 1971 e sua ordenação Presbiteral ocorreu em 20 de dezembro de 1981 em Murello (Itália). Foi ordenado Bispo em 8 de dezembro de 1997 assumindo a Diocese de Abaetetuba.

Antes de ser nomeado Bispo, Dom Flávio Giovenale trabalhou na Pastoral Vocacional no Estado do Pará de 1982 a 1983, foi Reitor do Seminário Menor em Manaus (AM) entre os anos de 1986 a 1989, retornando novamente ao cargo de Reitor do Seminário Maior em Manaus durante um ano (1990-1991); foi Ecônomo da Província de 1992 a 1997 e Procurador Missionário para o Brasil nos anos de 1994 a 1997.

Como Bispo exerceu o cargo de Secretário Executivo nos anos de 1999 a 2003 e Presidente de 2004 e 2007 do Regional Norte 2 da CNBB. Este ano Dom Flávio foi eleito a assumir, pela segunda vez, o cargo de Secretário Executivo da CNBB Norte 2 .

(com Cáritas Brasileira)

4º. CONGRESSO E XVIII ASSEMBLEIA


A Cáritas Brasileira, reunida em Passo Fundo – RS nos dias 09 a 12 de novembro de 2011, para a realização de seu 4º. CONGRESSO E XVIII ASSEMBLEIA, com 320 pessoas enviadas pelas entidades-membro e regionais, quer trazer para todas as comunidades eclesiais, organismos e pastorais, movimentos sociais, entidades parceiras e toda a sociedade brasileira uma mensagem de esperança.

Com a motivação bíblica da Parábola do Semeador, aprofundamos a nossa compreensão sobre DESENVOLVIMENTO SOLIDÁRIO SUSTENTÁVEL E TERRITORIAL com base nas experiências concretas que a Cáritas, nos diversos estados brasileiros, vem desenvolvendo nos últimos anos. Essas experiências são as SEMENTES DE UM PROJETO POPULAR de sociedade que buscamos construir tendo como base o respeito à dignidade humana e a defesa e promoção de vida plena para todas as pessoas. (Cf. Jo,10,10)

Este Congresso está acontecendo em meio a uma realidade carregada de sinais contraditórios. Por um lado, somos testemunhas de que, em todas as regiões, há iniciativas de economia solidária, agroecologia, revalorização das culturas dos povos e comunidades tradicionais e mobilização social e controle de políticas públicas. Elas fazem parte do esforço dos empobrecidos para superar a marginalização social e, ao mesmo tempo, são parte da construção do outro desenvolvimento econômico e social, assentado sobre os valores da solidariedade, sustentabilidade e realizado na diversidade dos territórios. O amor a todas as formas de vida geradas pela Mãe Terra e o amor aos irmãos e irmãs em humanidade é seu fundamento mais profundo.

Por outro lado, estas e muitas outras iniciativas populares enfrentam as consequências de mais uma crise financeira mundial, que não foi causada pelos empobrecidos, mas é deles que os setores dominantes estão cobrando mais sacrifícios. No Brasil, o esforço para evitar o contágio dessa crise está assentado no aumento de investimentos públicos em grandes obras do PAC e da Copa de 2014; no congelamento das rendas da população trabalhadora e no estímulo ao consumo por meio da oferta de crédito mais facilitado. Para agilizar as grandes obras, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário estão tomando decisões que colocam em risco áreas de preservação permanente e outras áreas ricas em biodiversidade; expulsam comunidades humanas sem respeito aos seus laços de parentesco e vizinhança e promovem a retirada da população de rua, em criminosas operações de “higienização” urbana, sem reconhecer seus direitos e necessidades.

Queremos tornar pública nossa posição especialmente em relação a três processos em curso: a mudança do Código Florestal, a criminalização dos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e negação de direitos dos povos indígenas, das comunidades quilombolas e dos camponeses.
Em relação ao Código, deixamos claro que sua nova formulação só será aceitável se definir com clareza normas em favor da defesa do meio ambiente, evitando o cancelamento das dívidas dos grandes proprietários que agrediram a natureza e brechas legais para uma maior destruição do que resta de cobertura vegetal e florestas da Amazônia e dos demais biomas brasileiros. O Código Florestal precisa determinar, com clareza, dispositivos de proteção aos pequenos agricultores, reconhecendo sua importância para a preservação ambiental, com medidas adequadas para que não se inviabilize sua permanência na terra e seja reconhecida sua grande contribuição ao país com a produção de alimentos.

Como membros da Cáritas, queremos continuar prestando nossa contribuição ao povo brasileiro através de projetos e programas apoiados por doações voluntárias ou recursos públicos. Reconhecemos as atribuições do Estado e da sociedade civil na formulação e execução de políticas públicas. Por isso, questionamos as medidas adotadas pelo Governo que atingem indistintamente movimentos sociais e organizações da sociedade civil, especialmente a suspensão temporária de projetos sociais que contam com recursos públicos. Se há práticas de corrupção, que sejam fiscalizadas e processadas, aplicando as penas previstas em lei. Se, contudo, a gestão dos recursos está sendo feita com cuidado dentro das finalidades previstas, a suspensão unilateral do governo é uma injustiça com as entidades responsáveis e um grave prejuízo para a população. Exigimos, por isso, a retomada imediata da aprovação de projetos e a liberação dos recursos comprometidos para as entidades em que não há desvios; exigimos, igualmente, que se avance mais rapidamente nos trabalhos que visam a definição do novo marco regulatório das organizações da sociedade civil.
Em relação aos povos indígenas, às comunidades tradicionais e aos camponeses, consideramos um desrespeito à Constituição e aos seus direitos o fato que, nos últimos anos, tenham sido praticamente suspensos os processos de reconhecimento e demarcação de territórios indígenas e quilombolas e o processo de reforma agrária. Exigimos que o governo retome de imediato esses processos de demarcação de territórios e de reforma agrária, em diálogo e com participação das organizações indígenas, quilombolas e camponesas, garantindo suas ricas e diversificadas formas de vida e ampliando a produção agroecológica de alimentos.

Sob a inspiração da prática e da palavra de Jesus de Nazaré e dos empobrecidos com quem fazemos caminhos de libertação, reafirmamos os seguintes compromissos:

- lutar pela democratização do Estado através do fortalecimento da democracia participativa, visando a construção de uma sociedade de Bem Viver;

- promover uma cultura de direitos e de emancipação baseada nos princípios éticos de respeito à vida;

- empenhar-nos na promoção do protagonismo da juventude, aliando-nos às suas lutas específicas em vista da concretização dos seus direitos;

- lutar por políticas públicas de prevenção e de recuperação das condições de vida dos atingidos por desastres socioambientais;

- trabalhar, junto com as comunidades tradicionais, pelo respeito à sua cultura e pelo reconhecimento do direito a suas formas de vida e aos seus territórios;

- apoiar as lutas pela reforma urbana, pelo direito à cidade onde as pessoas que nela moram vivam com dignidade;

- investir na formação de agentes, visando seu crescimento pessoal, seu envolvimento na missão da Cáritas e fortalecendo uma prática de voluntariado ativo, militante e comprometido;

- estimular a constituição dos Fundos Solidários, garantindo autonomia nas ações em favor e junto com os excluídos;

- aprofundar a prática de trabalho em rede com as CEB´s, pastorais e movimentos sociais, com organizações da sociedade civil, visando maior capacidade de incidência em políticas públicas.
Sob a proteção de Maria, mãe de Jesus e nossa, queremos acolher os apelos do povo que clama por paz e vida digna, fazendo sempre o que está ao nosso alcance. Amém, axé, auêre, aleluia!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Encontro de Reflexão dos Directores Espirituais das Cáritas Diocesanas de Moçambique

Documento Final

De 7 a 8 de Julho de 2011, no Centro Polivalente de Marera, Diocese de Chimoio, realizou-se o primeiro encontro de reflexão dos Directores Espirituais das Caritas Diocesanas.

Presidiu ao encontro sua Excia. Reverendíssima Dom Hilario da Cruz Massinga, Bispo de Quelimane e Presidente da Comissão Episcopal da Cáritas (Cáritas Moçambicana). Estiveram presentes no encontro os representantes das 12 Dioceses do nosso país. Os motivos desse encontro foram:

1. Dar continuidade ao trabalho de reestruturação da Cáritas Moçambicana conforme foi reflectido na XVII Assembleia-Geral, a partir da qual se integrou os Directores Espirituais das Caritas Diocesanas na Caritas Moçambicana.

2. Reflectir com os participantes sobre a necessidade da consolidação da Cáritas Moçambicana tendo em conta a sua integração na pastoral de conjunto.

3. Reflectir sobre as funções de Directores Espirituais das Caritas Diocesanas.

Devido à especificidade de cada Diocese, e tendo em conta que cada uma está trabalhando, os participantes, depois de uma partilha e troca de experiencias e ideias, comprometeram-se a elaborar um Plano de Acção, junto com as Comissões Diocesanas da Caritas e do Secretariado Diocesano de Coordenação Pastoral, adequado à caminhada de cada Diocese.

(com Cáritas Moçambicana)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Cáritas Lusófonas em Roma

Aproveitando a realização da Assembleia da Caritas Internationalis, os representantes das Cáritas Lusófonas presentes encontraram-se para analisar a forma como se está a dar sequência às conclusões do último Fórum que decorreu, há um ano, na Guiné-Bissau. Foi agendado o próximo para a segunda semana de Fevereiro de 2012, em Cabo Verde.

Como ficou determinado no Fórum de 2010, a agenda do próximo será preparada, em conjunto, pelas Cáritas de Cabo Verde, Brasil e Guiné-Bissau.

Foi abordada a situação difícil em que se encontram muitos estudantes provenientes, sobretudo, de países da África lusófona. Sem prejuízo de, em cada país de origem desses estudantes, se alertar, desde já, as autoridades governamentais para este preocupante problema, a Cáritas Portuguesa comprometeu-se, com a colaboração das Cáritas Diocesanas, fazer o levantamento dos jovens que estejam a ser apoiados. Foi decidido que este assunto será um dos a ser reflectidos no próximo Fórum.

Para que possa haver uma melhor rentabilização dos objectivos que o Fórum das Cáritas Lusófonas pretende prosseguir, considerou-se imperiosa uma maior articulação com as Conferências Episcopais de cada um dos países. Cada Cáritas presente comprometeu-se a contactar a presidência do seu Episcopado.

Os presentes saudaram a eleição de D. Francisco Silota, Bispo da Diocese do Chimoio, em Moçambique, para Presidente da Cáritas África. O prelado aceitou estar presente no próximo Fórum, respondendo, assim, ao convite que os presentes lhe formularam.


quarta-feira, 11 de maio de 2011

II Assembleia Geral da Cáritas Guine-Bissau


A CARITAS Guiné-Bissau comunica que terá lugar, entre os dias 17 e 19 de Maio do corrente ano a II Assembleia Geral da CARITAS.

Subordinada ao tema «CARITAS – Um serviço renovada para a Guiné-Bissau», esta Assembleia Geral compreenderá três dias em que os organismos da Igreja afectos à CARITAS, apresentarão um balanço das acções desenvolvidas, debatendo as dificuldades e as expectativas sobre o empenho caritativo, fazendo-se uma reflexão sobre a base estatutária que preveja uma resposta eficiente às necessidades apresentadas pelas Paróquias, Missões e Organismos de Acção Social representados.

Mais se informa que a abertura oficial da desta II Assembleia da CARITAS Guiné-Bissau terá lugar no próximo dia 17 de Maio, às 09:30 Horas, no centro de conferências da Cúria Diocesana de Bissau, onde será proferido um discurso de abertura pelo Senhor Bispo de Bissau, Dom José Camnate, a Senhora Ministra Maria de Lurdes Vaz e o Secretário-Geral da CARITAS, Padre Domingos Binhaguê, numa sessão que conta com a presença de alguns mais dos altos representantes das principais organizações nacionais e internacionais presentes na Guiné-Bissau.

A Caritas é uma organização da Igreja Católica que intervém no domínio social, na grande maioria dos países do mundo. Na Guiné-Bissau, a CARITAS desenvolve uma acção generalizada, em todo o território nacional, assegurando serviços de saúde, formação e apoio ao desenvolvimento junto das comunidades locais, tutelando os diversos centros de recuperação nutricional distribuídos por todo o território nacional, as unidades de saúde da Igreja Católica, entre outros projectos de elevado impacto na qualidade de vida dos guineenses.

(Com Cáritas Guiné-Bissau)

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Cáritas da Guiné Bissau tem novo Secretário-Geral


Devido à deslocação missionária da Ir.ª Lourdes Lima para Angola, o cargo de Secretário-Geral da Cáritas Guiné-Bissau, passou a ser desempenhado pelo Pe. Domingos Manuel Binhaguê.

Esta nomeação, feita pelo Senhor Bispo de Bafatá, Dom Pedro Zilli, Presidente do Conselho de Administração da Cáritas Guiné-Bissau.

As Cáritas Lusófonas agradecem o apoio da Ir.ª Lurdes nas actividades realizadas e saúdam a nomeação do Pe. Domingos Manuel Binhaguê.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Cheias no Brasil - Donativos

Organizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Cáritas Brasileira, a campanha SOS Sudeste já arrecadou R$ 605.786,00 em doações. Todo o dinheiro arrecadado será revertido em ajudas concretas às vítimas das enchentes, inundações e deslizamentos que atingem o Sudeste do Brasil, especialmente a região serrana do Rio de Janeiro.

Além da solidariedade já manifestada por milhares de brasileiros e brasileiras que fizeram doações à campanha, a rede Cáritas também está mobilizada em prol das vítimas das tragédias.

Já estão confirmadas as contribuições da Cáritas Alemã, com 50 mil euros, da Cáritas Portuguesa, com mais 50 mil euros, da Cáritas Espanhola, com 100 mil euros e da Cáritas Suíça, com 50 mil francos suíços. A Cáritas da Itália também manifestou apoio, mas ainda não confirmou a quantia com que irá contribuir.

Acesse o site oficial da campanha SOS Sudeste, acompanhe os fatos mais recentes e faça sua doação.

BANCO DO BRASIL
AG. 3475-4 – C/C 32.000-5
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
AG. 1041 – OP. 003 – C/C 1490-8
BRADESCO
AG.0606-8 C/C: 71.000-8
CNPJ da Cáritas Brasileira: 33.654.419/0001-16

Assessoria de Comunicação Cáritas Brasileira

Cheias no Brasil - 3 semanas depois

Perto de completar três semanas, as chuvas, enchentes e inundações que assolaram a região serrana do Rio de Janeiro deram uma trégua e as comunidades afetadas começam a recompor os estragos deixados pela tragédia.

Em visita às dioceses de Petrópolis e Nova Friburgo e às regiões atingidas nos últimos dias 25 e 26, o coordenador para Emergência da Cáritas Brasileira, José Magalhães, além de levar palavras de solidariedade de toda rede Cáritas aos atingidos, propôs somar esforços para identificar as prioridades e estabelecer um plano de trabalho a curto, médio e longo prazo.

Já D. Fillipo ressaltou que com o passar o tempo, as doações começam a diminuir e, devido à volta às aulas e ao trabalho, o número de voluntários também cai consideravelmente. Outra preocupação destacada foi o alto índice de desemprego que surgiu após a tragédia. “Muitos que trabalhavam no comércio, em hotéis e sítios que foram totalmente devastados, perderam suas fontes de renda.”

Em encontros com D. Fillipo Santoro e D. Edney Mattoso, bispos das dioceses de Petrópolis e Nova Friburgo, respectivamente, foi constatado que toda a região atingida está bem abastecida. “Recebemos toneladas e mais toneladas de mantimentos de todo Brasil. Já não estamos mais arrecadando roupas porque já não temos mais para onde mandar”, comentou D. Edney Mattoso

De acordo com Magalhães, neste primeiro contato ficou afirmado que uma equipe local será montada para atuar na região durante todo o ano de 2011. “Passada a fase emergencial, temos que ver em que vamos atuar. Se vamos atuar na recuperação de pequenos empreendimentos, se vamos construir habitações. As equipes terão que identificar essas necessidades”, explicou.

Estarão envolvidos neste trabalho a curto, médio e longo prazo a Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro e as Dioceses de Petrópolis e Nova Friburgo.

Até o momento, as dioceses já distribuíram cerca de 650 toneladas de donativos e são responsáveis pela maior parte dos abrigos da região. Somente em Nova Friburgo, dos 73 abrigos cadastrados na Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, 45 são mantidos pela igreja.

O padre Manuel Manangão, presidente da Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro e responsável pelo Vicariato da Ação Social da Arquidiocese – também envolvida nos trabalhos aos atingidos -, acompanhou José Magalhães em todas as visitas realizadas.

Assessoria de Comunicação Cáritas Brasileira

Cheias no Brasil - 2011

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

"Operação 10 milhões de Estrelas - Um gesto pela Paz 2010"

Pelo 8º ano consecutivo, a Cáritas Portuguesa leva a efeito a “Operação 10 Milhões de Estrelas – Um Gesto Pela Paz”, cujo objectivo fundamental é sensibilizar a opinião pública para as questões da paz, da justiça e da solidariedade.

Site da "Operação 10 milhões de Estrelas - Um gesto pela Paz 2010"


Conselho Geral da Cáritas Portuguesa


Em Fátima, Portugal, na Casa de Nossa Senhora do Carmo e na Casa de Nossa Senhora das Dores, nos dias 13 e 14 de Novembro de 2010 estiveram reunidos representantes de 19 Cáritas diocesanas, em Conselho Geral.

Comunicado final do Conselho Geral da Cáritas Portuguesa

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Encontro de Reflexão “Cooperação Intermunicipal Portugal – Cabo Verde”

No passado dia 13 de Outubro deu-se um Encontro de Reflexão no Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal.


Este Encontro teve como pano de fundo o assinalar dos 20 anos de cooperação inter-municipal entre Portugal e Cabo Verde, tendo-se pretendido reflectir sobre a cooperação intermunicipal, criar momentos de partilha de experiências, tendo por base as relações de cooperação entre os municípios portugueses e cabo-verdianos, e reconhecer o contributo da cooperação intermunicipal no quadro da Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento e o seu enquadramento na tutela da cooperação.


A Cáritas Portuguesa fez-se representar por um dos seus técnicos do Departamento de Cooperação Internacional.

sábado, 18 de setembro de 2010

Presença Lusófona na XXVI Semana da Pastoral Social


Decorreu de 14 a 16 de Setembro de 2010 a XXVI Semana da Pastoral Social, em Fátima, Portugal, subordinada ao tema "Dar-se de verdade: Para um desenvolvimento solidário".

Mais informações aqui.

Para além de representantes da Cáritas Portuguesa e da diversas Cáritas Diocesanas, este evento contou com a presença do Presidente da Cáritas de São Tomé, Sr. Máximo Aguiar e com o Presidente da Cáritas de Moçambique, Sr. Enrique Gámez.


Máximo Aguiar, Presidente da Cáritas de São Tomé, em baixo ao centro
Enrique Gamez, Responsável de Projectos da Cáritas de Moçambique, atrás ao centro
Eugénio Fonseca, Presidente da Cáritas Portuguesa, à esquerda
Madalena Cruz, Membro da Direcção da Cáritas Diocesana de Setúbal, à esquerda
João Mota Ramos, Membro da Direcção da Cáritas Portuguesa, à direita

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Cáritas Brasileira empresta experiência à Cáritas Europa no combate a pobreza


Brasília-DF, 23/7/2010 – “A Pobreza é um escândalo! Não podemos aceitar que 17% da população Europeia viva abaixo do limiar de pobreza. Os números são ainda mais inaceitáveis no caso da pobreza infantil: 19% das crianças estão em risco de pobreza!”, informa o manifesto intitulado “Acabar com a pobreza já!”, documento que abriu a campanha da Cáritas, em janeiro deste ano, para assinalar o Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social.

Em junho, 200 representantes da Cáritas de todos os países da Europa reafirmaram a luta pela erradicação da pobreza durante o Congresso Europeu sobre a Pobreza e Exclusão Social, realizado em Madri. Eles estão convencidos de que a pobreza é um escândalo internacional e que a luta para erradicá-la depende da construção de uma nova cultura na sociedade, segundo a qual a solidariedade e a corresponsabilidade deverão ter o mesmo valor que a liberdade individual e que a justiça social e a luta contra a pobreza sejam os objetivos de todas as ações políticas dos governos.

Além de investirem esforços nas campanhas de solidariedade e de ajuda à população pobre da Europa, os participantes do congresso decidiram intensificar trabalho com líderes políticos para fomentar e construir urgentemente essa nova cultura nas sociedades européias. No entendimento deles, a pobreza é multidimensional e, para haver uma efetiva erradicação, é necessário intervir também em aspectos imateriais que geram e imortalizam a pobreza no mundo.

Para eles, “a melhor forma de prevenir a pobreza e de lutar contra ela é empoderar-se e assegurar a participação social das pessoas em situação de pobreza”, indica o documento final do Congresso, intitulado Propuestas politicas de Caritas Europa a los decisores europeos. Durante a Conferência Principal, o presidente da Caritas Internationalis, Cardeal Óscar Rodriguez Maradiaga, ao referir-se à atual situação de pobreza e de exclusão no mundo, disse que “para falar de pobreza é vulgar utilizar estatísticas. Para a Cáritas os pobres não são números, e sim pessoas que têm rosto”, afirmou.

Ele expressou sua perplexidade perante o posicionamento de muitos governantes que, em vez de investir recursos financeiros na erradicação da pobreza, preferem aplicar milhões de euros e de dólares no sistema bancário. “Fico muito triste quando me lembro que, em Roma, na reunião da FAO, calculou-se que para acabar com a fome no mundo seriam precisos cerca de US$ 6 bilhões e os líderes mundiais disseram que não tinham possibilidade de pagar essa fatura. Nos meses seguintes, um só país pagou ao sistema bancário um montante superior para ajudar a debelar a situação de crise financeira do banco”, disse o Cardeal.

Segundo ele, em todo o mundo, a dinâmica é a mesma: sempre são os mais pobres a sofrerem com os cortes, “quando eles deveriam ser intocáveis”, argumentou. O presidente da Cáritas Internacionalis disse ainda que “as gerações futuras não vão compreender como é que, ao fim destes anos, permitiu-se que tantas pessoas vivessem em situação de pobreza” concluiu. As iniciativas para solucionar o estado de pobreza da população européia foram discutidas também com representantes de países em desenvolvimento, pobres e ricos dos outros continentes: Brasil, Estados Unidos, Singapura e Etiópia.
Participação do Brasil – Organizado pela Cáritas Europa e Cáritas Espanha, o congresso contou com o apoio da União Européia e teve como convidados, representantes da Cáritas do Brasil, da Etiópia, de Bangladesh e dos Estados Unidos. A diretora nacional da Cáritas Brasileira, Cristina dos Anjos Conceição, representou o Brasil e participou, assim como vários representantes de países de outros continentes, de um painel em que todos puderam apresentar a leitura e as experiências da Cáritas no enfrentamento à pobreza e à exclusão social.

“Foi um debate importante. Nele, ficou evidente a preocupação da Caritas Europa com a crise financeira e econômica – um processo que tende a se aprofundar”, afirma Cristina dos Anjos, ao analisar a participação da Cáritas Brasileira no evento. Segundo ela, evidenciou-se também a dificuldade de se pensar estratégias de enfrentamento da pobreza tendo as pessoas empobrecidas como protagonistas. “Por isso, foi importante a participação das demais regiões do mundo que levaram suas experiências”, esclarece ela.

Com o tema “Cáritas no mundo: experiências de análise da pobreza e das políticas de desenvolvimento”, uma mesa redonda foi realizada para os participantes conhecerem experiências de enfrentamento e combate à pobreza em outros países. Moderada pela secretária-geral da Caritas Internationalis, Lesley-Anne Knight, a mesa contou com a participação dos representantes do Brasil, Singapura, Estados Unidos da América e Etiópia.

Crise financeira e pobreza – Cristina informa que a Cáritas Europa decidiu realizar o congresso em virtude da crise financeira e econômica que atinge o continente europeu. “Diante da necessidade de se pensar metodologias e ações para trabalhar com pessoas pobres, a Cáritas decidiu aprofundar o debate sobre a pobreza e apresentar propostas à União Européia. Contudo, para elaborá-las, levou em consideração as informações trazidas por esses países convidados, visto que eles acumulam experiências”, explica.

Segundo ela, a Cáritas Brasileira “contribuiu com o debate ao levar ao congresso o protagonismo, a defesa de direitos e de políticas públicas enquanto elementos essenciais no processo de organização e autonomia dos grupos empobrecidos”, disse. Na apresentação, Cristina mostrou as ações desenvolvidas pelo governo federal, os números da pobreza no Brasil, a análise da Cáritas Brasileira sobre a pobreza e a experiência da entidade na convivência com o semiárido, na segurança alimentar e na economia solidária.

Ela mostrou ainda que o Brasil se encontra, atualmente, numa encruzilhada econômico-financeira, ou seja, ao mesmo tempo em que apresenta alta renda, está preso ao alto nível de pobreza. Números do próprio governo – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) – revelam a contradição do modelo econômico.

No Brasil, enquanto os 10% mais ricos se apropriam de quase metade (47%) da renda nacional, 18,9% ganham menos de um salário mínimo; 16,8%, entre um e dois salários mínimos; e 38,5% não têm rendimento. Cerca de 59% da população economicamente ativa – 38 milhões – não tem previdência e 67% dos brasileiros têm menos de oito anos de estudo. Na área de educação os dados do Ipea indicam que 19 milhões de brasileiros são analfabetos e 35 milhões apenas “desenham” o próprio nome.

Cristina mostrou também que a população negra representa 63% dos pobres do Brasil e muitas crianças entram no mercado de trabalho precocemente, não freqüentam a escola e, muitas vezes, vivem nas ruas à mercê da prostituição e do crime organizado. A maior parte das terras agricultáveis é ocupada pelas propriedades com mais de mil hectares que concentram mais de 43% da área total do território nacional.

Assessoria de Comunicação – Cáritas Brasileira

segunda-feira, 24 de maio de 2010

VIIº Encontro das Cáritas Lusófonas

Decorreu de 26 de Abril a 02 de Maio, na Guiné-Bissau, o VIIº Encontro das Cáritas Lusófonas, subordinado à temática: “Combate à Pobreza promovendo a auto-suficiência alimentar”. Estiveram presentes as delegações das Cáritas de Angola, Brasil, Portugal, Cabo-Verde, São Tomé e Príncipe, e da Cáritas anfitriã, Cáritas da Guiné-Bissau. As Cáritas de Timor-Leste e de Moçambique, por questões de ordem logística, não puderam estar presentes. Este Fórum foi criado na sequência de um trabalho conjunto que as Cáritas lusófonas têm vindo a percorrer desde o ano 2000, pretendendo-se também neste encontro a promoção de um novo ânimo, bem como o delinear de novas estratégias de trabalho conjunto.



Na Sessão de Abertura, D. José Camnaté, Bispo de Bissau, acolheu esta iniciativa como a vontade firme do seu país ter um papel activo neste Fórum, abrindo caminhos de Esperança, tanto para as Cáritas Lusófonas, como para todo o contexto envolvente dos respectivos países. A este propósito, agradeceu aos delegados dos vários países o facto de se deslocarem à Guiné-Bissau num momento particularmente difícil da sua história, marcada por alguma instabilidade política e militar. Por sua vez, João Pereira, em representação do Presidente da Cáritas Portuguesa, agradeceu o acolhimento desta iniciativa por parte da Guiné-Bissau e apresentou uma resenha histórica da caminhada conjunta já trilhada pelas Cáritas Lusófonas. Por último, Maria de Lurdes Vaz, Ministra da Mulher, Família, Coesão Social e Luta Contra a Pobreza elogiou esta iniciativa salientando o papel da Igreja Católica e da Cáritas da Guiné Bissau, em prol do desenvolvimento do país, sobretudo, nas áreas da Educação e da Saúde.


Esta Sessão contou ainda com algumas comunicações oficiais, nomeadamente: Joseph Mutaboba, Representante do Secretário-Geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau; Franco Nulli, Embaixador da União Europeia na Guiné-Bissau; João Soares da Gama, Ponto focal da CPLP na Guiné-Bissau; Embaixador de Angola na Guiné-Bissau; Embaixador do Brasil na Guiné-Bissau; e o Embaixador de Portugal na Guiné-Bissau. De um modo geral, todos se regozijaram com esta iniciativa, desejaram que a mesma tenha muitos frutos, reforçando aquilo que une os países lusófonos e esbatendo eventuais pontos divergentes, seja históricos, políticos, económicos e sociais.


O dia 27 de Abril coincidiu com o certame anual "CARITAS - Porta Aberta", na Sede da Cáritas da Guiné-Bissau, destinado não só aos Delegados das Cáritas lusófonas, mas também à comunidade em geral, sendo marcado por uma exposição de Projectos da Cáritas da Guiné-Bissau, por uma conferência sobre a problemática subjacente ao presente Fórum e por uma partilha das principais acções das Cáritas Lusófonas presentes.


A Semana do Fórum foi ainda marcada por algumas visitas temáticas a Projectos da Cáritas da Guiné-Bissau e por reflexões conjuntas capazes de aproximar as Cáritas presentes.

 
Links:
 
- Panfleto do Encontro
- Apresentação sobre o trabalho da Cáritas da Guiné-Bissau
- Programa do Encontro
- Carta de Bissau (conclusões do Encontro)
- Discurso de D. José Câmnate, Bispo de Bissau
- Discursos de D.Pedro, Bispo de Bafatá - Jantar de Gala / Evento Porta Aberta

terça-feira, 18 de maio de 2010

A importância das Cáritas Lusófonas no espaço lusófono


"Reconhecendo o papel preponderante das Cáritas no desenvolvimento do espaço da CPLP, devido às suas intensas intervenções nos domínios sociais de Educação e Saúde, julgamos que os resultados deste Fórum de Bissau irão traduzir-se em acções concretas que contribuam na restauração da paz, da segurança, e na melhoria das condições de vida dos Guineenses, designadamente através do esforço das acções e da sensibilização dos parceiros de cooperação, a fim de continuarem a apoiar os esforços de desenvolvimento deste país."


João Soares da Gama, Ponto Focal da CPLP na Guiné-Bissau, durante o Encontro na Guiné-Bissau

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Notícias sobre o Encontro


Os posts seguintes debruçam-se sobre o que se tem dito na imprensa sobre o Encontro do Fórum.

ONU elogia Caritas Lusófonas

A declaração foi feita pelo senhor Joseph Mutaboba, Representante do Secretário-Geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau, em acto que marcou a abertura oficial do VIII fórum da Caritas Lusófonas em Bissau, neste dia 26 de Abirl de 2010. “Exprimo o meu elogio à Caritas da CPLP e aos países da comunidade, por esta iniciativa”.

O diplomata indicou que erradicar a pobreza e a fome é o primeiro objectivo do milénio. Por isso, “através do meu ofício coloco-me a disposição para acompanhar este evento”. Segundo a ONU, um bilhão e duzentos milhões de pessoas sobrevivem com menos do que o equivalente a US$1,00 PPC por dia – dólares medidos pela paridade do poder de compra de cada moeda nacional. Mas tal situação já começou a mudar em pelo menos 43 países, cujos povos somam 60% da população mundial.

Pelo Governo guineense, Maria de Lurdes Vaz, Ministra da Mulher, Família, Coesão Social e Luta Contra a Pobreza agradeceu a Caritas da Guine Bissau pelo esforço de trabalho junto das comunidades e pela oportunidade que o evento traz ao acontecer no seu país.

Os delegados e convidados ao evento estão todos já na Guine Bissau. Brasil, Angola, Portugal, Moçambique, Cabo-Verde, São Tomé partilham experiencias e desafios. Para este dia 27 está agendado o certame Caritas Porta Aberta.


por: Igreja Católica da Guiné-Bissau

Auto-suficiência alimentar é prioridade das Cáritas lusófonas

As Cáritas dos países de língua oficial portuguesa estão reunidas até 2 de Maio na Guiné-Bissau para reflectir sobre o “Combate à Pobreza promovendo a auto-suficiência alimentar”.

O encontro, que se realiza pela sexta vez, conta com a presença de
delegações de Portugal, Brasil, Angola, Brasil, Cabo-Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau.

Na sessão de abertura, realizada esta Segunda-feira, o bispo de Bissau, D. José Camnaté, frisou que o seu país quer assumir um papel activo no Fórum.

O prelado agradeceu aos participantes terem-se deslocado ao país num momento difícil da sua história, marcada actualmente pela instabilidade política e militar.

O representante da Cáritas Portuguesa, João Pereira, apresentou um resumo da caminhada conjunta feita pelas Cáritas Lusófonas e manifestou o desejo de que esse percurso se consolide com o encontro.

Por seu lado, a Ministra da Mulher, Família, Coesão Social e Luta Contra a Pobreza da Guiné-Bissau, Maria de Lurdes Vaz, elogiou a iniciativa e salientou o papel da Igreja Católica e da Cáritas local em favor do desenvolvimento do território, sobretudo nas áreas da Educação e da Saúde.

No encontro inaugural interveio também o representante do Secretário-Geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau, bem como os embaixadores de Portugal, Brasil, Angola e União Europeia.

Os trabalhos desta Terça-feira coincidiram com o certame anual "Cáritas - Porta Aberta", que incluiu uma exposição de projectos daquela instituição a nível local, a realização de uma conferência sobre o tema do Fórum e a partilha das principais acções executadas pelos organismos presentes.

Durante esta semana estão agendadas visitas a estruturas da Cáritas da Guiné-Bissau e reflexões sobre a forma de aproximar as delegações lusófonas.


por: Agência Ecclesia

Combater a pobreza: Fórum das Cáritas Lusófonas

Bissau, 26 abr (RV) - Tem início esta segunda-feira na capital guineense, Bissau, o Fórum das Caritas Lusófonas.

Com o tema "Combater a Pobreza Promovendo a Autos Suficiência Alimentar", o evento reúne, até o dia 2 de maio, representantes das Caritas de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, além de representantes do país anfitrião.

Para o Bispo de Bissau, D. José Câmnate na Bissign, "vir à Guiné-Bissau e realizar o Encontro da Caritas Lusófonas é reafirmar que a Igreja está nas tristezas e alegrias dos povos”, comentando a instabilidade política e militar que vive a Guiné-Bissau.

A Caritas Brasileira estará representada por Luiz Cláudio Mandela, da Coordenação Nacional, e José Carlos Morais, da Coordenação Regional do Nordeste 3 (...)

Para mais notícias sobre o Fórum, consulte o blog http://forumdascaritaslusofonas.blogspot.com/


por: Rádio Vaticano

Guiné-Bissau: Fórum das Cáritas Lusófonas decorre entre Domingo e 02 de Maio

Bissau, 24 abr (Inforpress) - A Guiné-Bissau vai receber entre domingo e 02 de Maio o Fórum das Cáritas Lusófonas dedicado ao tema do combate à pobreza através da promoção da auto-suficiência alimentar.

A iniciativa, organizada pela Igreja Católica da Guiné-Bissau, vai reunir representantes dos oitos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“É uma oportunidade de conhecer mais de perto a realidade guineense e os desafios que ela coloca, bem como o percurso percorrido pelas restantes organizações participantes”, afirmou o Bispo de Bafatá e presidente da Caritas guineense, Dom Pedro Zilli.

Durante a próxima semana, vão realizar-se palestras, debates, exposições e visitas aos projetos daquela organização católica na Guiné-Bissau.


por: Inforpress/Lusa

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Apresentação da Cáritas da Guiné-Bissau






quarta-feira, 21 de abril de 2010

Fórum das Cáritas Lusófonas 2010



Para se conhecer melhor o organizador do Fórum deste ano:



A divulgação do Fórum na Internet:



Para notícias sobre o decorrer do Encontro, ver os posts abaixo.

Mensagem da Igreja Católica da Guiné-Bissau

“Vir à Guiné-Bissau e realizar o Encontro da Caritas Lusófonas é um reafirmar que a igreja está nas tristezas e alegrias dos povos”, disse D. José Câmnate na Bissign, quando comentava a decisão das Caritas Lusófonas de manter a data de 26 de Abrir a 2 de Maio, em meio a instabilidade político - militar que vive a Guiné-Bissau.

Para D.José, muita gente tem medo de vir a Guiné-Bissau por causa do que se diz do país lá fora. Porém, a Igreja neste país busca ser sempre sinal de esperança para o povo. Por isso, quando as Caritas Lusófonas decidem manter nesta data o evento que já tinha sido programado é sinal de encorajamento e de amparo para a comunidade cristã em todo país. A respeito do tema: “Combater a Pobreza Promovendo a Auto-suficiência Alimentar”, o bispo diocesano defendeu que é oportuno, sublinhando que: “lutar contra a pobreza e contra a fome é criar condições para que haja uma paz duradoira”.

O Encontro das Caritas Lusófonas acontece de dia 26 de Abril a 2 de Maio de 2010, em Bissau. Segundo a organização, os preparativos já estão em fase terminal. Países como Portugal, Angola, Brasil, Moçambique, Cabo-Verde e São Tomé já confirmaram presença.
 
 
in http://igrejadebissau.blogspot.com/

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Informações sobre Segurança Alimentar

A data do Encontro do Fórum das Cáritas Lusófonas está cada vez mais próxima. Assim, vamos disponibilizar uma série de links para sites informativos relativos ao tema do Fórum. Esperamos assim lançar alguma luz sobre o tema a ser debatido, fornecendo meios para uma recolha de informação com qualidade.


Recursos sobre Segurança Alimentar:

- Documento sobre pobreza e segurança alimentar (em português) - documento com um breve resumo sobre os conceitos de pobreza, auto-suficiência alimentar/segurança alimentar e com uma ideia sobre pobreza e segurança alimentar.


- Glossário da Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura sobre Segurança Alimentar (site em inglês) - para uma definição oficial do conceito de segurança alimentar (food security)


- FEWS NET/Rede dos Sistemas de Aviso Prévio contra a Fome (site parcialmente em português) - é uma actividade financiada pela USAID, que presta informações rigorosas sobre situações emergentes a nível de segurança alimentar e de vulnerabilidade alimentar.


- Análise de Segurança Alimentar do Programa Alimentar Mundial/WFP (site em inglês) - conjunto de recursos, utilizados pelo Programa Alimentar Mundial, na sua análise à segurança alimentar da população de um país.


- Comité para a Segurança Alimentar Mundial da Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura / FAO CFS (site em inglês/francês/espanhol) - este comité serve como Fórum, dentro das Nações Unidas, para debate e revisão de políticas que digam respeito à segurança alimentar. Aqui, pode-se ter acesso on-line aos documentos criados durante os encontros anuais, para revisão das políticas de segurança alimentar.


- ReliefWeb (site em inglês) - site sobre emergências humanitárias. Carregando-se no link tem-se acesso a uma lista de países onde se podem obter informações detalhadas sobre a situação em cada um deles, incluíndo informações sobre o estado da sua segurança alimentar.


- AlertNet (site em inglês) - site sobre emergências humanitárias. Carregando-se no link tem-se acesso a uma página com informações, notícias e links sobre a fome no mundo.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Postais Comemorativos do Encontro na Guiné-Bissau



Por ocasião do Encontro do Fórum das Cáritas Lusófonas, a Cáritas da Guiné-Bissau lançou este conjunto de postais comemorativos.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Perspectiva Histórica do Fórum das Caritas Lusófonas

Aproxima-se a data de realização de um novo Fórum das Caritas Lusófonas. Desta vez o Fórum, que se realizará, entre 26 de Abril e 02 de Maio de 2010, terá lugar na Guiné-Bissau sob o tema "Combater a pobreza promovendo a auto-suficiência alimentar"


Neste sentido, vamos relembrar as edições anteriores do Fórum, para que todos possamos reflectir no que conseguimos até aqui e naquilo que ainda poderemos fazer.

E, para se conhecer, com mais algum detalhe, cada umas das Cáritas que pertencem ao Fórum Lusófono, bem como o respectivo país, pode-se consultar o seguinte folheto, baseado no trabalho realizado durante o Iº Fórum.

terça-feira, 30 de março de 2010

Iº Encontro das Cáritas Lusófonas


Entre os dias 8 e 13 de Outubro de 2000 aconteceu o primeiro encontro das Cáritas dos Países Lusófonos, realizado em Fátima, Portugal.

Estiveram presentes representantes de todas as Cáritas Lusófonas, com excepção da Guiné-Bissau que, infelizmente, não pode estar presente, e também da Cáritas Internationalis.

Este encontro, realizado na Casa de Nossa Senhora do Carmo (Santuário de Fátima), teve como objectivos: o conhecimento da realidade social, política, económica e pastoral de cada país participante, a reflexão sobre formas de acção comuns, a promoção da cooperação das Caritas dos países lusófonos e o reforço da cooperação com a Caritas Internationalis.

Durante este encontro denunciou-se a barbaridade da guerra que então se vivia em Angola e procurou estabelecer-se uma acção de influência a favor do povo Angolano.



Sob a luz da missão primordial da Caritas no mundo - a intervenção junto dos mais pobres e necessitados - lavrou-se deste encontro uma declaração de princípios, designada por Declaração de Fátima, da qual podemos retirar os seguintes traços gerais: defesa da Vida e dos direitos humanos; necessidade de obter a reconciliação através de uma continuada educação para a cidadania e democracia; promoção de uma cultura de solidariedade e justiça; denuncia e repudia de políticas internacionais e de medidas económicas atentadoras dos mais básicos direitos humanos; necessidade de revisão da dívida externa dos países em desenvolvimento; necessidade de trabalhar em conjunto com outras entidades, de forma a cumprir estes princípios.

No final do encontro, foi criado oficialmente o Fórum das Caritas Lusófonas, uma rede de diálogo que passaria a ligar as diversas Caritas que falam português, fruto da constatação que existem desafios comuns, entre todas estas Cáritas (como a intervenção junto dos mais desfavorecidos ou a luta pela inclusão social) mas que a distância impede a discussão e reflexão de soluções partilhadas. Passou a existir um lugar privilegiado para uma reflexão lusófona sobre temas pertinentes no âmbito das Caritas, bem como de intercâmbio de ideias e experiências, que enriqueçam o conhecimento ao dispor de cada Caritas Lusófona, levando a que todas elas se complementem entre si.


Ficaram também decididas as bases para futuros encontros; criou-se a possibilidade de participação nas Assembleias Nacionais das Caritas, ou em outras iniciativas relevantes; desenvolveram-se os pilares de uma estratégia comum de desenvolvimento de recursos humanos das Caritas Lusófonas; estabeleceu-se a afirmação da língua portuguesa nos meios internacionais; designou-se um elemento de articulação em cada Caritas Lusófona; nomeou-se Portugal como interlocutor das Caritas Lusófonas junto da União Europeia; e criou-se um mecanismo de apoio mútuo entre as Caritas Lusófonas perante tomadas de posição nacionais.


Links:
- Declaração de Fátima
- Conclusões do Encontro
- Recortes de Imprensa

IIº Encontro/Iº Fórum das Caritas Lusófonas


Entre 30 de Outubro e 7 de Novembro de 2002, em Salvador da Bahia, Brasil, ocorreu o segundo encontro das Caritas dos Países Lusófonos, sob o tema “Dignidade Humana e Paz”, contou com a presença de todos os países lusófonos. Este segundo encontro foi também a primeira edição do Fórum das Caritas Lusófonas, onde houve a possibilidade de participar no Congresso Nacional da Caritas Brasileira.





O tema escolhido pretendeu realçar a importância do diálogo na construção da paz. É que o diálogo, entre pessoas ou países, só se consegue respeitando a dignidade do outro, agindo sem prepotência ou arrogância. E sendo a paz algo que tem que ser mutuamente aceite, torna-se o respeito pela dignidade humana condição essencial para qualquer tentativa de paz. Sem o respeito pela dignidade esfumam-se as condições para o diálogo. E sem diálogo, não pode haver aceitação mútua da paz. Havendo paz, criam-se as condições necessárias para começar a esboçar uma tentativa de resolver muitos dos problemas com que a Caritas se defronta, a nível de miséria, exclusão e injustiça social. Daqui a importância do tema escolhido e do seu estudo durante o encontro.

Este encontro teve ainda outros objectivos, nomeadamente: a reflexão sobre as diferentes realidades dos países lusófonos; apresentação da realidade brasileira aos participantes e, a partir desta, facultar a troca de conhecimentos e experiências entre participantes; elaboração de um plano de articulação entre as Caritas Lusófonas; fortalecimento do Fórum Lusófono; aumento da participação das Caritas Lusófonas na Caritas Internationalis; criação procedimentos comuns de resposta a desafios comuns entre as diversas Caritas.


Durante este encontro assinou-se um documento que declarava o compromisso dos outorgantes em manter e desenvolver a colaboração entre as Caritas Lusófonas, incluindo o Fórum, na prossecução dos objectivos que haviam ficado estabelecidos anteriormente. Este documento ficou conhecido como “Declaração de Salvador” e estabeleceu que:

  • a cada dois anos deveria realizar-se um encontro das Caritas Lusófonas;
  • deveria mobilizar-se recursos para a continuação do Fórum;
  • teria que se reforçar a comunicação entre as diversas Caritas Lusófonas, através de uma página na internet;
  • deveria continuar-se a política de cooperação na valorização dos recursos humanos.
Links:

- Programa
- Declaração de Salvador
- Informações sobre o encontro
- Folheto sobre o encontro
- Revista produzida após o encontro
- Recortes de imprensa
- Notícia da Rádio Vaticano

IIIº Encontro das Cáritas Lusófonas

Em Julho de 2003 realizou-se, em Roma, uma reunião das Cáritas Lusófonas.


Durante a reunião identificaram-se uma série de desafios, a serem resolvidos pelo Fórum, dos quais destacamos:

- expansão do uso da língua portuguesa na Caritas Internationalis;
- realização de acções concretas que sejam consonantes com os princípios expressos nas Declarações de Fátima e de Salvador;
- oficialização do Fórum perante a Caritas Internationalis.


Acordou-se ainda quanto ao local de realização do próximo Fórum Lusófono, tendo ficado estabelecido que se realizaria em Maputo, Moçambique.

IVº Encontro / IIº Fórum das Cáritas Lusófonas



O terceiro Encontro das Caritas Lusófonas, 2º Fórum, ocorreu entre os dias 13 e 23 de Setembro de 2004, em Maputo, sob o tema “Construção e Conquista das Relações Democráticas e Políticas Publicas”.


O tema escolhido para este encontro vem no seguimento da reflexão em Salvador da Bahia, durante o Iº Fórum, onde se debateu o tema "Dignidade Humana e Paz", nomeadamente o papel do diálogo na construção da paz.

Havendo paz, é necessário educar os indivíduos nas condições de cidadania que lhes permitam tornarem-se em sujeitos na construção da sua própria dignidade e paz. Claro que esta construção somente poderá ser possível no âmbito de relações democráticas que valorizem a dignidade e o valor humanos. No entanto, qualquer tipo de relação democrática tendente à paz, só se pode verificar junto de indivíduos com cidadania e voz própria. E, muitas vezes, quando existe miséria ou ignorância, criam-se as condições para que os indivíduos não tenham cidadania ou voz plena. Cria-se assim um manto que leva a que os indivíduos não vejam a responsabilidade pessoal que cada um tem na construção democrática.

Portanto, para além de uma educação democrática nos valores da cidadania humana, torna-se necessária a existência de políticas públicas que criem condições para que se verifique esta democracia baseada na dignidade e tendente para a paz. É claramente neste sentido que foram aprovadas as Declarações de Fátima e de Salvador e que se realizou o Fórum em Maputo.


Assim, no final deste Fórum, foi aprovada a Declaração de Maputo na qual os outorgantes se propuseram, entre outros, a: desenvolver a formação das comunidades, à luz da Doutrina Social da Igreja, de modo a que as comunidades aprofundem o seu sentido de cidadania; incentivar, nos Seminários, a formação para a democracia e as políticas públicas; participar mais efectivamente em instâncias onde se debatam assuntos ligados à cidadania ou à construção de políticas públicas.

Links:

- Programa
- Declaração de Maputo
- Informações sobre o encontro
- Excerto do livro publicado após o encontro

Vº Encontro das Cáritas Lusófonas

O Vº Encontro das Caritas Lusófonas realizou-se a 18 de Novembro de 2006, em Aracaju, Brasil. Infelizmente não pode contar com a presença de Timor-Leste nesta edição.

Neste encontro, para além de se recordar a caminhada efectuada desde o I Encontro, em 2000, foram ainda analisadas as declarações saídas de cada um desses encontros.

Assim, criou-se um plano operativo com o intuito de efectivar alguns dos compromissos das anteriores declarações. Surgiram então as seguintes orientações: elaboração de um plano estratégico exequível (técnica e financeiramente) a longo prazo que promova a sustentabilidade do Fórum; formação dos agentes das Caritas lusófonas para intervenção junto de comunidades excluídas; proporcionar a participação do Fórum Lusófono no V Fórum Social Mundial 2007; identificar projectos comuns dentro da rede das Caritas Lusófonas; aprofundar a troca de experiências.



Para além da criação deste plano operativo, este IV Encontro englobou ainda outros objectivos, entre os quais contamos: fortalecer e consolidar o Fórum, através da criação de uma estrutura organizativa e de coordenação e da intensificação da comunicação entre Caritas Lusófonas; incentivar a participação noutros fóruns sociais, bem como nas Assembleias Nacionais; continuar a promover a cooperação no domínio dos recursos humanos; continuação da afirmação do fórum e da utilização da língua portuguesa; manutenção de um fundo de auto-sustentabilidade do Fórum e dos mecanismos de apoio mútuos; criação do núcleo de mulheres.

Este encontro foi considerado essencial pois permitiu incutir uma nova dinâmica ao Fórum Lusófono, avançando na consolidação de metodologias de articulação entre todos os membros do Fórum Lusófono.

Links:
 - Publicação do comunicado final - Rádio Vaticano

- Notícia da Rádio Vaticano

VIº Encontro das Caritas Lusófonas


Conforme havia ficado decidido no encontro anterior, o V Encontro realizar-se-ia durante a Assembleia Mundial da Caritas Internationalis, que decorreu em Roma, nos dias 7 e 8 de Junho de 2007.
Infelizmente as Caritas de Timor-Leste e de Angola não puderam estar presentes.

Com base nas três declarações anteriores (Fátima, Salvador e Maputo), bem como com base no plano de trabalho de Aracajú, definiram-se quatro desafios que têm vindo a ser cumpridos:

• Desafio n.º1 – A necessidade de elaborar um plano estratégico, no qual se defina a missão do Fórum, identidade e prioridades, com base no trabalho desenvolvido até agora;

• Desafio n.º2 – A comunicação como o principal desafio a superar no curto prazo. Dentro deste desafio salientamos a criação bem sucedida deste blog do Fórum das Caritas Lusitanas, em 2007.

• Desafio n.º3 – A partilha de experiências, principal força motriz do Fórum, pode e deve ser disseminada não só pelas Caritas Lusófonas, como por todas as outras, a todos os níveis, bem como pelas diversas Igrejas e parceiros.

• Desafio n.º4 – Elaboração de um projecto conjunto para ser apresentado a vários doadores

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Caritas de Angola desenvolve projecto de Alfabetização no Malanje


A Caritas de Angola, em Parceria com a Caritas Espanhola, implementou o Projecto "Alfabetização e capacitação em áreas rurais de Malanje, Angola". Foi co-financiado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento.


Este projecto foi implementado na Diocese de Malanje, mais concretamente nos municípios de Kalandula, Kaculma e Kiwaba-Nzoji; e pretendeu dar resposta ao grave problema de analfabetismo nesta região, onde a percentagem de pessoas analfabetas ronda os 70%, tentando contrariar as consequências negativas que esta situação conduz.


Os resultados obtidos foram bastante positivos pois permitiu formar 383 professores e possibilitou que 7.888 habitantes, dos três municípios, frequentassem as aulas de alfabetização.


O Projecto iniciou-se a 1 de Março de 2006 e terminará a 28 de Fevereiro de 2009. Durante o presente ano iremos a dar continuidade ao Projecto, estando o financiamento a cargo da Caritas Espanhola. A nossa expectativa é de poder estender esta iniciativa a outras Dioceses do País.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Cáritas e CNBB lançam campanha SOS Bangladesh

O ciclone Sidr, com ventos de 240Km/h, devastou a costa de Bangladesh, no continente asiático, no dia 15/11. O número de mortos pode chegar a 10 mil, além de 15 mil feridos, 3 milhões de desabrigados, 800 mil casas destruídas e milhares de desaparecidos.


Diante da tragédia, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em conjunto com a Cáritas Brasileira, lança a campanha nacional de solidariedade SOS Bangladesh, em sintonia com a campanha internacional coordenada pela Caritas, com sede no Vaticano, e a Cáritas de Bangladesh.

Doações em dinheiro serão destinadas a ações de socorro imediato, reconstrução e recuperação de danos materiais e humanos, coordenadas pela Rede Cáritas em Bangladesh. Deposite qualquer quantia nas contas:

Banco do Brasil: Agência 3475-4 – Conta corrente: 40.500-0Banco Bradesco: Agência 0484 – Conta: 117.017-1Caixa Econômica Federal: Agência 2 – Conta: 5629-0

A Campanha acontece até o dia 29 de fevereiro de 2008.“Peço para que sejam feitos todos os esforços possíveis para socorrer estes irmãos tão duramente atingidos”, disse o Papa Bento XVI, após a reza do Ângelus, em 18/11.


Rayane Ribas - Estagiária da Assessoria de Comunicação da Cáritas Brasileira.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Conselho Geral da Cáritas Portuguesa

Sob a presidência de Sua Exa Rev. D. José Francisco Alves, realizou-se em Castelo de Vide, de 16 a 18 de Novembro, o Conselho Geral da Cáritas Portuguesa. Importa salientar a forma fraterna e solidária como a Caritas Docesana de Portalegre e Castelo Branco e a Câmara Municipal de Castelo de Vide acolheram este Conselho.



O Conselho foi enriquecido com uma palestra por D. Carlos Azevedo, subordinada ao Tema “Globalizar a caridade. Construir a Paz”. Esta palestra, aberta à participação da comunidade deixou as seguintes referências:

  • A era da globalização é o fim de um ciclo. Melhor do que a globalização importa o sentido da Universalidade, não como mero conceito mas como uma atitude organizacional.

  • Na senda de uma indicação para uma ética global importa assumir uma ética de responsabilidade solidária, uma ética universalista que atenda às exigências da justiça, uma ética universalista da instituição a favor dos desfavorecidos (refundar as instituições), assumindo-se assim uma globalização eticamente fundada.

  • Construir a paz é criar condições efectivas de justiça social e de libertação dos oprimidos. O processo de construção da paz é um processo constante, sustentado numa vontade firme e em bases escoradas em processos educativos
Sob o mote, lançado pelo Presidente da Caritas, de que o Conselho Geral da Cáritas Portuguesa, mais do que um espaço de decisão, é um espaço de comunhão de todas as Cáritas Diocesanas, reflectindo a sua acção de agentes de evangelização no trabalho que desenvolvem, foi possível chegar ás seguintes conclusões:

  1. O trabalho deve ser organizado e tecnicamente eficaz, devendo-se, para isso, aproveitar, as novas tecnologias, que cada vez mais estão ao dispor de todos, bem como a aplicação de novas metodologias de trabalho. O Sr. D. José Alves referiu, também, as ferramentas, disponíveis na rede Cáritas, que constituem factores positivos para se atingirem as metas pretendidas no trabalho de todos. A este propósito referiu o Centro de Recursos, criado pela Cáritas Portuguesa.

  2. Deve haver uma maior consciencialização para as alterações que se verificam, constantemente, na nossa sociedade. D. José Alves afirmou que este processo significa não uma mudança mas, mais do que uma mudança, uma mutação, com carácter mais radical e mais profundo que deverá ser reflectida e compreendida por todos, para mais facilmente nos adaptarmos a ela. Acrescentou que o trabalho da Caritas deverá ter um objectivo comum, ser coordenado e ter em conta as orientações de toda a Rede, nomeadamente, Cáritas Internationalis, Cáritas Europa, Cáritas Portuguesa e Cáritas Diocesanas.

  3. No que se refere à Campanha Nacional da Cáritas, foi decidido que deverá proceder-se a uma análise mais profunda desta proposta tendo em conta os contributos do Conselho.

  4. Foram apresentadas as conclusões da Assembleia-Geral da Cáritas Internationalis, realizada em Roma, em Junho de 2007, da qual foram destacadas as seguintes quatro grandes prioridades estratégicas:
    - Intervenção em situações de emergência;
    - Desenvolvimento humano integrado;
    - Restabelecer uma paz duradoura;
    - Adaptar as estruturas, os processos e as finanças da Confederação.

  5. “Acolhe a Diversidade. Abre as portas à Igualdade” foi o lema escolhido para a Semana Nacional da Caritas de 2008. A Diocese da Guarda acolherá as celebrações desta semana.

  6. Deverá reavaliar-se a parceria com o Millennium BCP, no que se refere ao Microcrédito.

  7. Da apresentação do Centro de Recursos, do Fórum Caritas e da Intranet, ressaltou o empenho de todos em dinamizar estas ferramentas que todos consideraram como mais-valia para a promoção e dinamização da rede.

  8. Acederam iniciar a recolha de informação no âmbito do Observatório Social 7 Caritas Diocesanas que até final de 2007 indicarão as paróquias a envolver, de forma a que possa agendar-se uma reunião de informação e aprovação dos instrumentos de recolha.

  9. O Conselho contou com a participação de Juan Ambrósio que apresentou o Curso “Cuidar do Mundo” - Introdução à Doutrino Social da Igreja, tendo ás Caritas Diocesanas sido incentivadas à participação. O curso tem 7 unidades temáticas em sistema e-learning será leccionado pela Universidade Católica.

  10. Foi apresentado o ponto de situação da Campanha “Cáritas Ajuda as Vítimas do Terramoto no Peru 2007” e a Campanha “porDarfur”

  11. O programa da operação 10 milhões de estrelas de 2007 foi apresentado, tendo sido realçada a particularidade de a comissão para este ano ter conseguido um novo eixo de divulgação que envolverá a Liga Portuguesa de Futebol e ir lançar um concurso de cartazes para a campanha 2008.

  12. Foi analisada, alterada e aprovada a Ficha para o levantamento dos grupos paroquiais de acção social. Este levantamento decorrerá entre Janeiro e Junho de 2008

  13. Foi aprovada a Acta do Conselho Geral anterior.

  14. Foi aprovado Plano de Actividades para 2008 e o respectivo orçamento previsional

  15. Foi igualmente aprovado o orçamento rectificativo de 2007

  16. O Conselho Geral de Novembro de 2008 terá lugar em Aveiro

  17. O Conselho Geral expressou um voto de pesar pelas vítimas do Bangladesh.